domingo, 4 de abril de 2010

Futuro bem negro para o AC

Tirei 1 dia e meio de folga da minha profissão para poder descansar durante 5 dias de férias...
As proximas só serão para Junho pois este ano é parco de feriados e pontes.
O nosso destino foi a Costa Vicentina. Na 3ªf á noite pernoitámos no Intermarche de Santiago do Cacém onde pela manhã fiz umas compras e voltei a abastecer o deposito da AC com gasoleo mais barato. Devo dizer que com a autorização da empregada do posto despejei junto á gasolineira as aguas cinzentas. Ela confirmou-me que todos os dias lavam logo de manha o local e que as aguas são direccionadas para o esgoto conforme a lei obriga.
Seguidamente fomos ao centro de Santiago do Cacém entregar umas cartas ao correio e fazer um deposito ao banco(ultima tarefa que tinha de fazer antes de entrar efectivamente de férias). Aproveitámos para despejar a cassete num sanitário publico. Continuam pela estrada encontrámos um chafariz onde abastecemos. Sempre que vamos para S.Torpes este é o nosso ritual.
Seguindo viagem passámos por Porto Covo. O tal parque de estacionamento junto á praia continua com pinos de um lado e traves de altura no outro e completamente vazio. Passagem pela localidade que parece um completo estaleiro de obras com moradias a crescer que nem cogumelos. Autocaravanas só vimos 4 num parque de estacionamento em frente á praça.
Pé no acelarador com destino a Almograve e paragem para almoço com uma bela passeata após a refeição tendo por companhia os meus cães e vários turistas estrangeiros que também têm paixão pelo caminhar...
Voltando á AC com destino a Aljezur onde pernoitámos num parque de estacionamento em frente ao mercado. Pelo amanhecer umas compritas pela localidade, pequeno almoço tomado e voltar ao volante para continuar até á Praia do Amado.
Se até aqui eu já tinha visto atitudes dos proprietários  de AC menos próprias, as coisas começaram a piorar!!!
O parque de estacionamento da praia do Amado, apesar da hora matinal, já lá tinha bastantes autocaravanas e o seu número foi aumentando e a confusão também. Posso dizer que 90% dos veiculos tinham matricula Espanhola e se dividiam por carros normais, comerciais, vans a cair de podres e autocaravanas de media e alta qualidade. E ainda... E ainda... Caravanas  a serem desatreladas dos carros e bem posicionadas para a pernoita. Havia então que, para melhorar o ramalhete, ir retirando umas cadeiras, mesas e até armarios de cozinha de campismo para acender o fogão e fazer o almoço!!! Não sei como não cheguei a ver fogareiros... Talvez porque estava vento amais.
Tudo isto acompanhado de musica bem alta e do "parlar de nuestros hermanos" que todos sabemos que estão sempre em festa, falam pelos cotovelos e bem alto, não vá nós não dar-mos conta da presença deles...
Ao fim da tarde e com os depósitos cheios de agua suja dirigimo-nos a Sagres ao parque de Campismo da Orbitur para despejos. A tarifa das descargas era de €3,00 valor que considero bastante aceitável, mas estava a apetecer-me fazer algo "diferente" pelo que acabei por me inscrever para a pernoita aproveitando a promoção com descontos. Duas pessoas, uma AC, 2 caes e electricidade ficou em €12,50.  Aproveitei a electricidade para teclar um trabalho que tinha para fazer e leváva horas a fazer. Gostei do parque e pretendo um dia lá voltar.
Na manhã seguinte voltar á praia do Amado já menos solarenga e bastante ventosa decepcionou-nos além de que o parque de estacionamento estava cada vez mais cheio de autocaravanas.
Voltámos ao fim da tarde para Aljezur e estacionámos outra vez no mesmo local. Aqui comecei-me a "passar"!!!
Acabados de estacionar, venho cá fora passear os cães e tentar arranjar fome para o jantar pelo que fiz um passeio pelas velhas ruas de Aljezur onde descobri uma padaria e observei que a chaminé deitava fumo: pão a lenha na certa, amanhã tenho que cá voltar de manhã cedo. Ao voltar para a AC vejo uma autocaravana espanhola estacionada que ao fazer as manobras para parquear tinha deixado vários riscos de água no chão visto ter o deposito de aguas cinzentas a abarrotar... e debaixo do veiculo o chão todo molhado porque tinha acabado de fazer despejos em pleno parque na via publica!!! Fui para a AC de modo a jantar e dormir. De manhã fui comprar o pão, comprar peixe fresco mas caro á praça e voltei a tempo de ver um casal de Belgas a partir do local onde tinha pernoitado e deixar uma poça e mancha dos despejos que na surrapa tinha acabado de fazer. Passados minutos surge uma AC Alemã que estaciona em cima da tal poça. O Alemão já com idade para ser meu pai, sai da AC vai até á beira da ria e vai de satisfazer as sua necessidades com um belo de um repuxo mesmo debaixo do meu nariz!!! Será que no pais dele faz o mesmo??? Um alemão a urinar em plena via publica com uns sanitarios a 100metros deste lado da ria e outros a 300m do outro lado da ria junto a lojas e parques de estacionamento...
Cansei-me de ali estar e fomos até aos sanitarios despejar a cassete e ao posto da GALP pagar €2,00 para lavar a parte da frente da AC enquanto despejávamos as aguas cinzentas.
Arrifana era o destino : muita malta nova de prancha debaixo do braço, muito stress e falta de educação entre Portugueses e Estrangeiros, autocaravanas portuguesa e inglesa estacionadas onde tinha placa a indicar :proibido estacionamento a caravanas e auto-caravanas... e isto com um estacionamento ao lado onde não era proibido! Mas o pessoal tem que ficar sempre na beira do precipicio com vista directa para o mar e o outro parque ficava um pouco mais atrás... Aliás foi onde eu estacionei bem á vontade durante os poucos minutos que lá estivemos.
Dirigimo-nos  até Odeceixe e respectiva praia que nunca tinhamos visitado. Perto da praia a circulação está proibida a caravanas e autocaravanas porque as ruas eram estreitas, mas um pouco mais atrás havia um parque bem grande para estacionar todos os tipos de veiculos e com uma bela paisagem para o mar. Era hora de almoço e eu tinha os salmonetes para comer e deliciar-me... Estacionei ao comprimento, apesar de ter por perto uma AC Inglesa estacionada á largura com um Fiat bem pequeno encostado ao lado ainda com a peça do reboque encaixada. A AC estava estacionada á largura para se protegerem do vento de modo a abrirem o toldo que por baixo tinha um belo de um tapete no chão, as cadeiras e a mesa e o Inglês a lavar energicamente uma frigideira num algidarinho em cima de uma mesa enquanto a mulher toda entretida lhe tirava fotos!!! Espante-se : tirava fotos áquele lindo acampamento para levar para casa e mostrar certamente aos amigos. Após a lavagem da loiça e porque estava estafado da tarefa o Ingles senta-se na cadeira só de calções com uma pança enorme a apanhar banhos de sol com uma cerveja na mão e o telemovel na outra com um ar muito satifeitos... interrogo-me se não estaria a contar aos amigos como Portugal é um reino sem rei nem rock onde tudo é permitido!
Tirar fotos de tudo o que presenciei ? Falar com todos os que estavam a fazer errado? Fazer queixa á policia ou GNR? Estragar ainda mais as minhas férias?
 Devo dizer que vi carros patrulha da GNR no Amado, em Aljezur e em Odeceixe pararam mesmo, para ver o espetáculo do Inglês e nada fizeram. Faziam rondas certamente para nossa segurança e para mostrar que estavam presentes. Mas tomarem atitudes? Nem pensar! Aliás, se eles começassem a multar, bem que tinham de trazer vários livros de recibos e um aparelho de multibanco. Iam ter cá um lucro! Mas depois vinham as vozes dizer que havia perseguição ao AC que está mal, etc...
Se continar-mos a ter esta bela imagem o autocaravanismo não tem futuro!!!
A porcaria é tanta e tão descarada que me apetece fugir da beira mar e nunca mais cá pôr os pés!!! Se não fosse o Rui gostar tanto do mar...
O verão está á porta e acredito que vamos ouvir e ver muitas reportagens a falar mal dos autocaravanistas. Poucos são os que cumprem.
Os estrangeiros fazem o que querem pois esta não é a casa deles e estam-se a lixar, só fazem m....a. Vêm em veiculos de luxo que aparenta terem dinheiro e supostamente boa formação e educação, mas é tudo aparências.
Os Portugueses eram menos e malta radical do surf mal formados e ainda na fase da liberdade, paz uma prancha e o mundo só para eles.
Voltando a passar em Porto Covo, no meio da localidade contámos 19 ACs espalhadas em locais de estacionamento normais. O "tal parque " tinha 4 carros estacionados. A vedação das arribas foi cortada e afastada, de modo que estavam por lá mais umas 20 e tal autocaravanas. A nossa viagem acaba hoje.
Não pude deixar de mandar email á ASANDAC e á LAPACA a informar do que vi os hermanos deles fazerem por terras lusitanas. E a dar o link da base de dados das areas de serviço do CAS para que não tenham desculpas de falta de informação.

2 comentários:

Haddock disse...

Olá,

o problema chama-se "vista de mar"!
Eu também gosto é certo. Devido à minha formação não posso estar muito tempo sem ver, ouvir e cheirar o mar. Simplesmente em autocaravana está cada vez mais difícil. Aí é de privilegiar as cidades, vilas e aldeias "amigas" dos autocaravanistas. Um bom exemplo é Bragança. Não é demais enaltecer aqueles autarcas por todos os meios ao nosso alcance.

ANTÓNIO RESENDE disse...

Pois...
Costa Vicentina e Algarve...
Ou tiveram muito azar, ou os ''azares'' foram muitos!!!
É uma verdade que no nosso litoral, em tempos de sol, toda a gente quer ''acampar'' viradinha ao oceano.
As AC regra geral são bem recebidas em todo o ''interior'' do país... e no litoral AINDA podemos fruir de imensos espaços, mas um pouco ao lado de onde todos caem.
Os ''exageros'' - haverá sempre - e não são apenas os AC que contribuem para eles... basta parar na berma de uma qualquer estrada e ver... o que pra lá é arremessado!...
Vamos passando ao lado!